Receitas Rápidas com que impressionar?

Consegue imaginar o ar surpreso dos seus amigos, ou até da sua namorada, quando lhes servir um delicioso Cocktail de Camarão? (só não lhes conte que apenas demorou 10 minutos na cozinha...!).

Para preparar com tempo e ter sempre à mão de qualquer ocasião, porque não preparar e congelar?

No dia é só cozinhar e servir como se tivessem sido acabados de fazer! Uma boa dica são os Crepes de Legumes, coloridos e estaladiços. Que tal?!

Porque adoçar o palato é adoçar a alma e porque nenhuma refeição está completa sem a sobremesa.

Experimente as diversas receitas de sobremesas disponíveis - da mais complexa à mais simples, todas prometem encher-lhe as medidas e tornar a sua refeição num momento mais feliz!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Bolo de Arroz

Um inesquecível clássico, que faz ainda hoje parte de nós, tanto como fez da nossa infância!


Ingredientes:
(para 8 bolos)
  • 150g de açúcar
  • 150g de farinha de trigo
  • 75g de farinha de arroz
  • 75g de manteiga
  • 12g de fermento em pó
  • 3 ovos + leite (perfazendo 250ml)
  • 1 colher (chá) de extracto de baunilha
  • Raspa de limão q.b.
  • Açúcar q.b.


Preparação:

Bate-se o açúcar com a manteiga mole e o fermento até obter um creme de manteiga suave.
Junta-se os ovos e o leite e bate-se bem. Junta-se a raspa do limão e a baunilha.
Por fim, juntam-se as farinhas e envolvem-se até obter uma massa uniforme.
Levam-se ao forno pré-aquecido, em aros forrados com tiras de papel vegetal, cheios até meio e polvilhados com açúcar para criar a crosta, a 200ºC por 5 minutos e a 180ºC até cozerem.

Adaptado de "A Cozinha Ideal - Tratado Completo de Cozinha, Pastelaria e Bar" de Manuel Ferreira 

 



terça-feira, 18 de setembro de 2012

Vela Latina - um almoço com o vislumbre do Tejo


O Vela Latina é um restaurante situado em Belém, mesmo ali junto à magnífica Torre de Belém, com um vislumbre do Tejo - nesse dia, solarengo -, que transmite o espírito náutico, ligeiramente campestre, da zona em que se posiciona - a Doca do Bom Sucesso. Nascido em 1988, mostra-se um espaço para os dias de hoje, sem que o moderno e futuro arrebate a tranquilidade de um presente em que buscamos o que é nosso por natureza e por origem.

Ao entrarmos no Vela Latina somos invadidos pela sensação de entrar num iate de luxo, revestido de madeira, com elegância e requinte. Pequenos apontamentos náuticos e marinhos fazem a decoração deste espaço, composto por diversas salas, muito iluminado, muito eclético - atendendo aos habituées e aos novos turistas que por ali passam.

Regida pelo chef Benjamim Vilaça com o apoio do Sub-Chef José Cunha (que estava ao serviço nesse dia),
a cozinha do Vela Latina apoia-se em elementos mediterrânicos, com apontamentos internacionais, num estilo de cozinha que não aspira ao contemporâneo e ao científico da mesma - que não precisa -, mas que se mantém num nível de cozinha de conforto, quer para a casa quer para os seus clientes. A carta é variadíssima e pode optar-se por um diversificado leque de pratos, sem cansar o palato, sem repetir elementos.

A sala apoia-se na chefia do Chef Manuel Lúcio, apoiado pelo Sub-Chef António Mateus. O Sub-Chef Mateus mostrou-se aberto em mostrar-nos a casa e a família em que assenta o Vela Latina, demonstrando um profissionalismo e uma atenção para com cada cliente que se mostra rara na Lisboa movimentada pelos turistas. A equipa da sala mostrou-se extremamente coordenada, fazendo denotar a sua cumplicidade de trabalho e os anos de serviço pela casa.


O almoço começou com uma flute de Moët & Chandon, fresco como se pede, a acompanhar um queijo fresco, fatias de salmão fumado e o azeite (acompanhado do balsâmico, como tanto se vê ultimamente).

O restante almoço foi, para mim, conduzido pelo Sub-Chef Mateus, que sabiamente me guiou por entre a carta e me levou ao que de melhor poderia oferecer. O E. preferiu optar ele mesmo pelos pratos apresentados, mostrando escolhas pessoais muito marcadas que o levaram a bons e maus caminhos pelo Vela Latina.


Para entrada o Sub-Chef Mateus aconselhou um magnífico "Carpaccio" de novilho com Queijo da Ilha de S. Jorge, de sabores marcantes, de uma textura delicada. A denotar, quem sabe, um pouco de sal em demasia largado sobre o "carpaccio" - não fosse o próprio queijo da Ilha que o acompanha também ele de paladar forte. Um pequeno pormenor que pode ser corrigido para conseguir um equilíbrio entre os elementos. O E. optou por uma deliciosa e muitíssimo bem confeccionada Perdiz de Escabeche, que foi um dos pratos mais marcantes do almoço. As texturas contrabalanceavam-se harmoniozamente entre a tenrura da perdiz e o crocante dos cogumelos desidratados. Os sabores perfeitos, muito bem temperados e aromatizados - uma entrada a sugerir, sem dúvida! 



Por entre o leque variado de pratos - como referi anteriormente - fui levada para um inebriante prato de Arroz de Coentros com Lagosta - sem dúvida o melhor prato do almoço (a fazer frente à Perdiz, claramente). A textura cremosa do arroz, com sucos a envolverem o paladar dos coentros, contrastava lindamente com a textura firme de uma lagosta confeccionada na perfeição! Os temperos ideiais, sem nada a corrigir. O E. optou por um Magret de Pato com Laranja e Batata Palha - longe das suas expectativas, quase desapontante após a magnífica perdiz. Bem confeccionado, é certo, o magret apresentava-se numa cozedura excelente, mas o seu sabor e excelência de confecção em nada foi apoiado pelo que o acompanhava. Gomos de laranja e batata palha - ainda que caseira - a passar um sabor desagradável a óleo, que ficou mal numa lista de pratos de sucesso ao longo da refeição. Desiquilibrado, sem ligação e a perder-se, este é um prato a ser repensado na sua totalidade pelo Chef Benjamim, para igualar os seus parceiros de mesa, uniformizando uma refeição que poderia ser de sucesso.
O almoço foi acompanhado por um dos 6 vinhos a copo disponíveis na carta (3 brancos e 3 tintos) - Domingos Soares Franco Verdelho, de 2011, de aroma floral que deixou uma frescura que equilibrou os pratos na perfeição.

 
As sobremesas foram o final de uma doce refeição - ignorando os pequenos percalços até ali. 
Aconselhada pelo Sub-Chef Mateus optei por umas Farófias da nossa Casa (se bem que os meus olhos se perderam na carta por um Tiramisú com Pedro Ximenez, a testar brevemente, quem sabe...), mas em nada me arrependi. Uma confecção e cozedura perfeitas, com as farófias a desfazerem-se na boca sem qualquer esforço, acompanhadas pelo seu delicioso e cristalino creme de baunilha - um amor de perdição!
O E. optou por algo fresco para arrebatar o almoço - Sorbet de Limão com Vodka. Que frescura, que acidez equilibrada, que contraste delicioso. Nada expectável e a superar completamente.

Para terminar, o café acompanhado de uma miniatura de queque, simples, fofo, para adocicar a degustação do café, e um pequeno mimo - duas trufas de chocolate numa pequenina caixa, para recordar a refeição num momento mais tarde do dia.


O Vela Latina mostrou-se um restaurante para passar um bom almoço de fim-de-semana, com comida de conforto, para pessoas de verdade - sem elementos estranhos, sem sabores descompassados por ligações pré-modernas - um luxo, na realidade, para descontrair enquanto se come. 














segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tarte de Pêssego em Massa Filo

Mais uma receita inspirada na Dorie Greenspan, cheia de aromas, carregada de Verão!

 

Ingredientes:
(para 8 unidades)

(massa)
  • 6 folhas de Massa Filo
  • Manteiga q.b.
  • Açúcar amarelo q.b.
(recheio)
  • 4 pêssegos
  • 200ml de natas
  • 50g de açúcar
  • 1 colher (chá) de extracto de amêndoa
  • 2 ovos
(crocante)
  • 2 colheres (sopa) de açúcar
  • 2 colheres (sopa) de farinha
  • 2 colheres (sopa) de amêndoa granulada
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • Açúcar em pó, q.b.

Preparação:

Pincelar a primeira folha de massa filo com manteiga derretida e polvilhar com açúcar amarelo. Colocar uma segunda folha de massa filo e pincelar com manteiga e sobrepor a terceira folha. Intercalar as folhas com manteiga e açúcar. Cortar em 8 pedaços iguais.Forrar aros com a massa filo.
Preparar o recheio, batendo as natas com o açúcar e os ovos, mais o extracto.
Cortar os pêssegos em metades, descascados.
Rechear a massa filo com o recheio e colocar as metades do pêssego com o lado do caroço virado para baixo. Levar ao forno a solidificar ligeiramente, a 180ºC.
À parte, preparar o crocante, juntando os ingredientes e envolvendo-os com as pontas dos dedos, até formarem umas migalhas granuladas. Colocar sobre as tartes e levar a corar.
Retirar e polvilhar com açúcar em pó.



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Cocktail de Camarão

Fresco, delicioso - uma excelente entrada para um jantar de amigos, agora que o Verão está a terminar, deixando para trás um rasto longo de sol, enquanto se põe cada vez mais cedo...




Ingredientes:
(para 6 pessoas)
  • 12 camarões (tamanho 20/30)
  • 12 folhas de alface
  • 3 fatias de melão
  • 200ml de natas frescas
  • 6 colheres (sopa) de maionese
  • 6 colheres (sopa) de ketchup
  • 3 colheres (sopa) de sumo de limão
  • sal q.b.
  • pimenta q.b.


Preparação:
Comece por cozer os camarões - leve ao lume água com sal até ebulir. Junte os camarões e deixe ferver novamente por 1 minuto. Retire do lume, escorra, e coloque os camarões em água com gelo para travar a cozedura. Quando estiverem frios descasque-os, deixando apenas o rabo. Reserve.
Entretanto lave e desinfecte a alface, seque-a e reserve.
Parta o melão em pequenos cubos e refrigere.
À parte, junte a maionese, o ketchup e o sumo de limão. Junte às natas batidas em chantilly e envolva. Tempere com sal e pimenta caso ache necessário. 
Num copo de cocktail, coloque a folha da alface em pedaços, o melão em cubos, dois camarões e o molho a gosto. Sirva bem fresco.


quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Pastéis de Feijão

Pastéis de Feijão, que nos levam ao céu em cada dentada!


 Ingredientes:
  •  500g de açúcar
  • 250g de feijão branco cozido
  • 150g de amêndoa em pó sem pele
  • 10 gemas
  • 2,5dl de água
  • açúcar em pó, q.b. 
  • Massa Folhada



Preparação:

Coza o feijão branco, escorra e faça um puré com o pass-vite, rejeitando as peles. Pese a quantidade pedida de puré. 
Ferva o açúcar com a água até obter ponto de fio. Junte a amêndoa moída, mexa até incorporar e junte o puré de feijão. Mexa sempre, em luime baixo, até despegar do fundo do tacho. Retire e deixe amornar.
Adicione as gemas bem batidas e volte ao lume brando, apenas até ferver.
Coloque a massa folhada nas formas, preencha com o recheio e leve ao forno até folhar.
Deixe arrefecer e polvilhe com açúcar em pó.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More